» 
alemão búlgaro chinês croata dinamarquês eslovaco esloveno espanhol estoniano farsi finlandês francês grego hebraico hindi holandês húngaro indonésio inglês islandês italiano japonês korean letão língua árabe lituano malgaxe norueguês polonês português romeno russo sérvio sueco tailandês tcheco turco vietnamês
alemão búlgaro chinês croata dinamarquês eslovaco esloveno espanhol estoniano farsi finlandês francês grego hebraico hindi holandês húngaro indonésio inglês islandês italiano japonês korean letão língua árabe lituano malgaxe norueguês polonês português romeno russo sérvio sueco tailandês tcheco turco vietnamês

definição - Zambézia

definição - Wikipedia

   Publicidade ▼

Wikipedia

Zambézia

                   
Zambézia
Província de Moçambique Moçambique
Flag of Mozambique.svg
Dados gerais
Capital Quelimane
Município(s) Alto Molocué, Gurúè, Milange, Mocuba e Quelimane
Características geográficas
Área 103 478 km²
População 3 849 455 hab. (2007)
Densidade 37,20 hab./km²
Moçambique Zambezia prov.png
Província de Zambézia em Moçambique.
Dados adicionais
Código postal 24xx
Prefixo telefónico +258 24
Sítio Portal do Governo da Província de Zambézia
Projecto África  • Portal de Moçambique

Zambézia é uma província na região centro de Moçambique. A capital da província é a cidade de Quelimane, a cerca de 1600 km ao norte de Maputo, a capital do país. Com uma área de 103 478  km², está dividida em 16 distritos, e possui, desde 2008, 5 municípios: Alto Molocué, Gurúè, Milange, Mocuba e Quelimane.

Em 2007, em termos de área e de população, esta província aparecia em ambas tabelas em segundo lugar, com uma área de 103 478  km² atrás de Niassa e com um total de 3 849 455 residentes depois de Nampula. Entre 1997 e 2007, foi também a segunda das províncias moçambicana, atrás de Nampula, em termos de aumento de população, ao contabilizar um acréscimo de mais de 950 mil habitantes, representando uma variação de quase 25%.

Índice

  Localização

No topo leste da zona central de Moçambique, a Zambézia está limitada a norte pelas províncias de Nampula e Niassa, a leste pelo Canal de Moçambique, no Oceano Índico e a sul pela a província de Sofala. A oeste, para além a província de Tete, surge também o Malawi.

  Demografia

  População

Em 2007, o Censo indicou uma população de 3 849 455 residentes. Com uma área de 103 478  km², a densidade populacional rondava os 37,2 habitantes por km².[1][2]

De acordo com o Censo de 1997, a província tinha 2 891 809 habitantes e uma área de 103 127 km², daqui resultando uma densidade populacional de 28,04 habitantes por km².[3]

Entre 1997 e 2007, a população cresceu 24,88%, tendo sido contabilizados mais 957 646 habitantes, o segundo maior valor registado entre as todas as províncias moçambicanas.

População da província de Zambézia[1][3]
1980 1997 2007
2 418 851 2 891 809 3 849 455

  História

A província da Zambézia foi formada a partir do distrito da Zambézia[4] do período colonial.

  O nome

O topónimo Zambézia foi criado em 1858 por decreto régio, abrangendo as capitanias de Quelimane e “Rios de Sena” (o Zambeze). O que hoje chamamos província da Zambézia foi durante muito tempo o “distrito de Quelimane”, criado em 1817, extinto e incorporado no de Sena em 1829 e reposto em 1853.

  Os Prazos

A colonização deste território e, aliás de todo o vale do Zambeze, iniciou-se no século XVII pelo aforamento de terrenos a portugueses ou “indo-portugueses” (indianos convertidos ao catolicismo, que adoptaram nomes portugueses) comerciantes ou soldados, a troco duma renda anual. A concessão era feita por "prazos", ou seja, por duas ou três gerações, sendo transmitida à filha mais velha. Passado esse tempo, os terrenos voltavam à posse do Estado, mas podiam voltar a ser entregues aos antigos “prazeiros”, se as autoridades achassem que a propriedade tinha sido bem administrada. Informalmente, no entanto, esta colonização tinha começado no século anterior, através de acordos de fixação entre os colonos portugueses e os chefes locais, por vezes através do casamento.

Com o tempo e a ineficácia da administração colonial, estas propriedades tornaram-se verdadeiros “estados” com os seus exércitos de “chicundas”. Não só estes senhores feudais não pagavam renda ao Estado português, como organizaram um sistema de cobrar o “mussoco” (um imposto individual em espécie, devido por todos os homens válidos, maiores de 16 anos) aos camponeses que cultivavam nas suas terras. Além disso, mineravam ouro e comerciavam marfim e escravos em troca de panos e missangas que recebiam da Índia e de Lisboa. Até 1850, Cuba foi o principal destino dos escravos provenientes da Zambézia.

Em 1870, era apenas em Quelimane (sem conseguir penetrar no “Estado da Maganja da Costa”) onde Portugal exercia alguma autoridade, cobrando o “mussoco”, instituído e cobrado pelos prazeiros. Isto, apesar de, em 1854, o governo português ter “extinguido” os Prazos (pela segunda vez, a primeira tinha sido em 1832). Outros decretos do mesmo ano extinguiam a escravatura (oficialmente, uma vez que os “libertos” eram levados à força para as ilhas francesas do Oceano Índico, Maurícia ou “ilha Bourbon” e Reunião ou “ilha de Fança”, com o estatuto de “contratados”) e o imposto individual, substituindo-o pelo imposto de palhota, uma espécie de contribuição predial.

Na margem direita do Zambeze e na margem esquerda da actual província de Tete, os prazos começaram a ser atacados, em 1830, pelos nguni que fugiam durante o mfecane mas, aparentemente, os prazos da Zambézia escaparam a essa sorte. Mas, apesar de “ressuscitados” por António Enes, o grande ideólogo do colonialismo pós-escravatura, não resistiram ao capital pós-esclavagista das grandes companhias. Depois de serem engolidos por estas, viram a administração colonial organizar-se finalmente – já na segunda metade do século XIX – e utilizar a sua estrutura feudal, depois de transformados os “xicundas” em sipaios, para submeterem os povos da região.

  A introdução da agricultura comercia

Por volta de 1870, começaram a estabelecer-se em Quelimane várias companhias europeias, já não interessadas em escravos, nem em marfim, mas sim em oleaginosasamendoim, gergelim e copra – muito procuradas nas indústrias recém-criadas de óleo alimentar, sabões e outras. No princípio, comercializando com os prazeiros, induziram-nos a forçarem os seus camponeses a cultivar estes produtos. Exemplos dessas companhias são a “Fabre & Filhos” e a “Régie Ainé”, ambas com sede em Marselha, a “Oost Afrikaansch Handelshuis”, holandesa, e a “Companhia Africana de Lisboa”. A “Oost” chegou a abrir em Sena uma sucursal para incentivar nessa região a produção de amendoim.

Mas a agricultura familar não produzia as quantidades desejadas, era necessário organizar plantações. É nessa altura que o governador da “província ultramarina”, Augusto de Castilho, cuja administração estava desejosa de ter uma base tributária para manter a ocupação do território, emite em 1886 uma “portaria provincial” regulando a cobrança do “mussoco” nos Prazos (que tinham sindo “extintos” pela terceira vez seis anos antes), que incluía a obrigatoriedade dos homens válidos pagarem aquele imposto, se não em produtos, então em trabalho; é dessa forma que começam a organizar-se as grandes plantações de coqueiros e, mais tarde, de sisal e cana sacarina.

Em 1890, o futuro “Comissário Régio” António Enes decreta, numa revisão do Código de Trabalho Rural de 1875 (que estabelecia apenas a obrigação “moral” dos colonos [leia-se camponeses indígenas] de produzirem bens para comercialização), que o camponês já não tem a opção de pagar o “mussoco” em géneros: “...O arrendatário [dos Prazos] fica obrigado a cobrar dos colonos em trabalho rural, pelo menos metade da capitação de 800 réis, pagando esse trabalho aos adultos na razão de 400 réis por semana e aos menores na de 200 réis.[5]

Esse decreto impunha ainda aos prazeiros a ocupação efectiva das terras arrendadas e o pagamento à autoridade colonial da respectiva renda. Mas os prazeiros não tinham conseguido converter a sua actividade de simples fornecedores de escravos ou de pequenas quantidades de produtos na de organização das plantações, não só por falta de preparação (ou de vocação), mas também por falta de capital. O resultado foi terem sido obrigados a subarrendar ou vender os seus prazos, terminando assim a fase feudal desta porção de Moçambique.

  As grandes companhias

A transição do regime feudal dos Prazos para o das Companhias foi feito no modelo capitalista da formação de empresas. Assim, por exemplo, o arrendatário Baltazar Farinha cria a firma “Farinha & Lopes”, que rapidamente é substituída por “Eigenman & Pereira” e esta por “Eigenman, Pereira & Stucky”, que dá finalmente lugar à “Companhia do Boror”. Este “Stucky”, ou Joseph Stucky de Quay, suíço, tinha um irmão Georges que, em 1899, comandou uma coluna de sipaios da Boror que submeteu o chefe Congone e, dessa maneira, asegurou o controlo do território que hoje corresponde aos distritos de Lugela, Mocuba e Namacurra. Era desta forma que as autoridades coloniais asseguravam a ocupação efectiva do território. Na década de 1920, Stucky foi agraciado pelo governo português com o título de conde.

Em 1921, todo o “distrito de Quelimane” estava dividido em 23 prazos que, entretanto, tinham passado, à excepção de três, à propriedade de grandes companhias que, no entanto, não eram companhias majestáticas, mas sim “arrendatárias” de prazos – que em muitos casos, tinham sido incluídos à força no seu território. Eram as seguintes as companhias e os prazos existentes (entre parênteses os anos de início do arrendamento ou da fundação das companhias):

  • Prazos “independentes” das companhias (próximos da vila de Quelimane):
    • Carungo, arrendado a Francisco Gavicho de Lacerda (1906);
    • Pepino e Quelimane Sul, em nome de Vitorino Romão da Nazareth (data desconhecida);
  • Companhia da Zambézia (1892):
    • Massingire (1897);
    • Andone (1987);
    • Anquaze (1897);
    • Timbué (1900);
  • Companhia do Boror (1898):
    • Boror (1898);
    • Macuse (1898);
    • Licungo (1898);
    • Nameduro (1899);
    • Tirre (sem data conhecida);
  • Société du Madal (1904):
    • Madal (1903, pelos anteriores proprietários Gonzaga, Bovay e Ca);
    • Tangalane (idem);
    • Cheringone (idem);
    • Maindo (1904);
    • Inhassunge (1916);
  • Empresa Agrícola do Lugela (1906):
    • Lugela (1906);
    • Milange (1906);
    • Lomué (1910);
  • Sena Sugar Estates (1920):
    • Maganja d’Aquém Chire (1894, pela predecessora Companhia do Açúcar de Moçambique);
    • Luabo (1911, pela antecessora Sena Sugar Factory) e
    • Marral (idem).

Entretanto, do ponto de vista da administração colonial, o “distrito” estava dividido apenas em quatro circunscrições (criadas nas datas indicadas entre parênteses), que apenas cobriam a parte costeira do norte da Zambézia:

  • Alto Molocué (1918),
  • Ile (1918),
  • Maganja da Costa (1908) e
  • Moebaze (1919, que passou a chamar-se Pebane em 1926; Ossiua tinha sido criada em 1919, mas foi suprimida em 1923, com a sua área dividida entre Alto Molocué e Pebane).

Em 1913, dos cerca de nove milhões de hectares da Zambézia, 5,4 milhões eram administrados pelos arrendatários, sendo os remanescentes 3,6 milhões a “reserva” do Estado. No entanto, a área total ocupada pelas plantações correspondia apenas a 0,5% da área arrendada (em 1924, este número sobe para 0,7%). Isto pode ser explicado por estas culturas (coqueiro, sisal, algodão e cana-sacarina) exigirem muita mão-de-obra e as companhias não estarem interessadas em investir em maquinaria, uma vez que a população era excedentária e os salários exíguos. Além disso, as plantações reservavam sempre uma área para culturas alimentares, para evitar custos adicionais em alimentação dos trabalhadores. Esta política assegurava um lucro considerável.

As plantações, no entanto, não eram a única fonte de rendimento das Companhias, pois algumas dedicavam-se igualmente à exportação de mão-de-obra para o estrangeiro (mesmo contrariando a legislação em vigor). Por exemplo, a Empresa Agrícola de Lugela tinha como um dos sócios Francisco Monteiro, que era igualmente proprietário de uma das maiores roças de cacau de São Tomé e, de acordo com fontes da época, calcula-se que, entre 1910 e 1915, tenham sido enviados como “contratados” para São Tomé cerca de 30 mil moçambicanos, não só da Zambézia, mas também de outras áreas de Moçambique, onde o recrutamento de mão-de-obra já estava organizado. Outros dez mil terão sido enviados para as plantações e minas do Transvaal (África do Sul). Ao mesmo tempo, para cumprir os seus acordos com a República Sul-Africana, a própria administração colonial tinha o seu papel no fornecimento de trabalhadores: está registado que, de 1904 a 1907, saíram pelos portos de Quelimane e Chinde 8141 homens oriundos das “reservas” do Estado e do Prazo Lugela.

Esta forma de exploração exacerbou o êxodo de zambezianos, que já tinha começado no tempo da escravatura e do “mussoco” prazeiro, uma vez que havia oportunidades de trabalho e condições de vida mais amenas nos territórios vizinhos das Rodésias e Niassalândia, para além do Transvaal. Pesam também nesta diáspora, as frequentes secas e cheias, com a consequente escassez de comida, e a falta de cuidados de saúde, mesmo na fase das Companhias. Em 1906, a emigração de Quelimane e Tete foi de 22.454 pessoas, das quais 1954 foram para o Transvaal, 500 para a construção do caminho-de-ferro da Suazilândia e 20 mil para locais indeterminados; por outro lado, no mesmo ano, segundo registos oficiais, teriam morrido de fome só na Zambézia cerca de 30 mil pessoas. Na década de 1910, Carl Wiese, que arrendara terras da Companhia da Zambézia, reportou terem desaparecido 50 mil pessoas dos Prazos de Massingire, Milange e de Tete.

  Governadores

A província é dirigida por um governador provincial nomeado pelo Presidente da República.

  • (2005-2010) Carvalho Muária[6][7]
  • (2010-) Francisco Itai Meque[7][8]

  Subdivisões da província

  Distritos

A província está dividida em 16 distritos:[9]

  Municípios

Esta província possui 5 municípios:[10]

De notar que a vila de Alto Molocué se tornou município apenas em 2008.[10]

  Ver também

  Ligações externas

Referências

  1. a b Quadro da provincia. Instituto Nacional de Estatística. Ano 2007. Acesso 2011 setembro 29
  2. Estatísticas do Distrito de Chinde. Instituto Nacional de Estatística. Ano 2008. Acesso 2011 outubro 11
  3. a b Instituto Nacional de Estatística (Zambézia até 1997) Acesso 2011 setembro 27
  4. Decreto-lei nº 6/75 de 18 de Janeiro.
  5. Sousa Ribeiro, 1907 “Regimen dos Prazos da Coroa”. Imprensa Nacional, Lourenço Marques, citado em UEM, Departamento de História, 1983. História de Moçambique Volume 2: Agressão Imperialista (1886-1930). Cadernos TEMPO. Maputo.
  6. "Guebuza concluiu nomeação do seu governo" in Noticias Lusófonas. 11 de Fevereiro de 2005. Acesso 2011 outubro 16
  7. a b "Formado novo Governo". TVM Televisão de Moçambique citando Jornal Noticias. 18 de Janeiro de 2010 Acesso 2011 outubro 16
  8. "Eis a composição ministerial do novo governo" in O País online. 18 de Janeiro de 2010 Acesso 2011 outubro 16
  9. Instituto Nacional de Estatística Acesso 2011 outubro 5
  10. a b "Resolução n.º 7/87, de 25 de Abril publicado no Boletim da República (BR), I Série, Nº 16 de 1987" in Estudo "Desenvolvimento Municipal em Moçambique: As Lições da Primeira Década". pp. 24 e 25. Banco Mundial. Maio 2009. Acesso 2011 outubro 5

Código Postal nos Correios de Moçambique Acesso 2011 outubro 4

Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de Moçambique, integrado ao Projeto África é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
   
               

 

todas as traduções do Zambézia


Conteùdo de sensagent

  • definição
  • sinónimos
  • antónimos
  • enciclopédia

   Publicidade ▼

Últimas investigações no dicionário :

2404 visitantes em linha

calculado em 0,281s

   Publicidade ▼

   Publicidade ▼