» 
alemão búlgaro chinês croata dinamarquês eslovaco esloveno espanhol estoniano farsi finlandês francês grego hebraico hindi holandês húngaro indonésio inglês islandês italiano japonês korean letão língua árabe lituano malgaxe norueguês polonês português romeno russo sérvio sueco tailandês tcheco turco vietnamês
alemão búlgaro chinês croata dinamarquês eslovaco esloveno espanhol estoniano farsi finlandês francês grego hebraico hindi holandês húngaro indonésio inglês islandês italiano japonês korean letão língua árabe lituano malgaxe norueguês polonês português romeno russo sérvio sueco tailandês tcheco turco vietnamês

definição - consumo

definição - Wikipedia

   Publicidade ▼

sinónimos - consumo

consumar (v.)

consumir

consumo

uso

consumo (n.)

consumação

consumo (n.m.)

consumir

ver também - consumo

consumar (v.)

consumível, de consumo, para consumo

consumo (n.)

consumir

   Publicidade ▼

locuções

dicionario analógico











 

(utilizador)[Thème]

consumir (v.)



consumo (n.)






Wikipedia

Consumo

                   
  Um consumidor em ação.

O consumo é a atividade que consiste na fruição de (bens) e serviços pelos indivíduos, pelas empresas ou pelo governo, e que implica a posse e destruição material (no caso dos bens) ou imaterial (no caso dos serviços). Constitui-se na fase final do processo produtivo, precedido pelas etapas da produção, distribuição e comercialização.

Índice

  Consumo privado

É realizado pelas famílias e pelas empresas pertencentes à iniciativa privada, que como agente econômico, utilizam o rendimento que obtêm na atividade produtiva para comprar bens e serviços necessários à satisfação de suas necessidades, tais como: alimentação, vestuário, habitação, divertimentos e outros.

  Consumo público

É o consumo que não se restringe às familias, mas sim à Administração Pública. A Administração Pública consome bens e serviços necessários à sua atividade.

  Modelos de consumo

John Maynard Keynes ( 1936) - modelo usado para explicar os factores de influência na evolução dos sistemas económicos. Considera o investimento como motor do progresso e que corresponde à propensão a consumir, manifestação directa do dinamismo dos consumidores. O seu modelo põe em evidencia três tendências fundamentais:

  • o incitamento a investir;
  • a preferência pela liquidez
  • a propensão a consumir

O seu sistema económico está determinado por duas grandes categorias de factores: os dados e as variáveis. Vejamos:

1- Dados classificados em sete grupos e com referência a uma dimensão psicológica:

a. Volume e qualificação da mão-de-obra;

b. Quantidade e qualidade dos elementos disponíveis;

c. Nível tecnológico

d. Intensidade da competência;

e. Gostos e hábito dos consumidores;

f. Atitudes dos produtores face ao trabalho;

g. Estrutura social em geral;


2- As variáveis independentes e dependentes:

a. Variáveis independentes:

i. Análise económica;

ii. Propensão a consumir;

iii. A curva da eficacidade marginal do capital;

iv. Taxa de interesses.

b. Variáveis dependentes:

i. Volume de emprego;

ii. Produto nacional medido em unidades de salário;


George Katona – os gastos importantes são do tipo discricional e estão sujeitos a verdadeiras decisões, em contraste com a ideia de comportamento habitual. Os gastos não são respostas de tipo automático às alterações de valor nos índices económicos, como, por exemplo, os ganhos obtidos. Não é suposto que a um ganho maior correspondam maiores gastos e vice-versa. Há ocasiões em que os gastos superam os ganhos e outras em que maiores ganhos provocam maior poupança. Para Katona, a alternativa encontra-se nas expectativas, que não são mais do que uma subclasse das atitudes que se projectam no futuro e implicam selectividade. Podemos esquematizar a sua teoria da seguinte forma:


S  P   C

↑    ↓

←←←←←

S – Corresponde às condições e situações económicas objectivas, tais como recessão, taxa de desemprego, inflação, etc.

P – Corresponde às características pessoais dos agentes económicos, tais como as aspirações, as expectativas e os estilos de vida.

C – Corresponde aos comportamentos de compra, a utilização e disposição de bens e serviços.


O consumidor influencia as flutuações económicas através dos gastos ou poupanças que faz.[1]

  Consumo sustentável

Como o consumismo conspícuo tem crescido, medidas de proteção ao ambiente tem sido desenvolvidas. O programa de educação de consumo sustentável realizado pela WWF Brasil, chamado Pegada Ecológica, incentiva o consumo de produtos biodegradáveis, racionamento de recursos e produtos de empresas ecologicamente corretas. Em cidades que não têm coleta seletiva ou onde ela é realizada com ineficiência, a pegada ecológica, a marca que cada habitante deixa no planeta é maior [2].

  Consumo exagerado x Sustentabilidade do planeta

Muito se discute nos dias de hoje o possível Impacto ambiental de um consumo exagerado por parte das classes mais ricas da sociedade. Pesquisadores de várias partes do mundo apontam o consumo excessivo como o principal responsável pelo aumento da degradação do meio ambiente uma vez que é necessário um aumento da produção para cubrir a demanda e este aumento está vinculado com a aceleração do uso de recursos naturais. Por outro lado, governantes, pesquisadores, economistas estudam a parcela que esta prática pode contribuir na sustentabilidade do planeta, sempre discutida por ambos os lados em conferências internacionais sobre o meio ambiente. O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente definiu consumo sustentável como "o fornecimento de serviços e de produtos correlatos, que preencham as necessidades básicas e dêem uma melhor qualidade de vida, ao mesmo tempo em que se diminui o uso de recursos naturais e de substâncias tóxicas, assim como as emissões de resíduos e de poluentes durante o ciclo de vida do serviço ou do produto, com a idéia de não se ameaçar as necessidade das gerações futuras". A relação deste consumo ainda está em estudos e pretende mostrar que o planeta Terra não suporta o atual modelo de consumo práticado nos países ocidentais. Para apontar uma alternativa ao consumo sustentável o Pnuma criou o Processo de Marrakech que atua sobre consumos e produção sustentável.

Referências

  1. Barracho,Carlos. Lições de psicologia Económica. [S.l.]: Instituto Piaget, 2001.
  2. Veja como pequenos ajustes na rotina podem melhorar a qualidade de vida do planeta - Globo News, 27 de janeiro de 2010 (visitado em 26-2-2010).

  Ver também

  Ligações externas

Ícone de esboço Este artigo sobre economia ou sobre um economista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
   
               

 

todas as traduções do consumo


Conteùdo de sensagent

  • definição
  • sinónimos
  • antónimos
  • enciclopédia

   Publicidade ▼

Últimas investigações no dicionário :

5638 visitantes em linha

calculado em 0,296s

   Publicidade ▼

   Publicidade ▼