» 
alemão búlgaro chinês croata dinamarquês eslovaco esloveno espanhol estoniano farsi finlandês francês grego hebraico hindi holandês húngaro indonésio inglês islandês italiano japonês korean letão língua árabe lituano malgaxe norueguês polonês português romeno russo sérvio sueco tailandês tcheco turco vietnamês
alemão búlgaro chinês croata dinamarquês eslovaco esloveno espanhol estoniano farsi finlandês francês grego hebraico hindi holandês húngaro indonésio inglês islandês italiano japonês korean letão língua árabe lituano malgaxe norueguês polonês português romeno russo sérvio sueco tailandês tcheco turco vietnamês

definição - planta medicinal

definição - Wikipedia

   Publicidade ▼

dicionario analógico

planta medicinal (n.)


Wikipedia

Planta medicinal

                   
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto (desde abril de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes, inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, nos locais indicados.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Planta medicinal é uma planta que contém substâncias bioativas.

Existe um grande número de plantas medicinais em todo o mundo, usadas desde tempos pré-históricos na medicina popular dos diversos povos. Entretanto, a planta "in natura" ou pré processada utilizada sem recomendação médica tem seus riscos, como por exemplo a dificuldade em se estabelecer dose, posologia e, em alguns casos, a verdadeira identidade de algumas espécies. As propriedades medicinais (ou tóxicas) destas plantas são pesquisadas em laboratórios de empresas farmacêuticas ou de universidades e institutos de pesquisa com o intuito de se identificar as substâncias que lhes conferem as propriedades farmacológicas, ou seja, encontrar os seus princípios ativos. Nestes estudos são utilizados vários modelos, sejam eles "in vitro" ou "in vivo" com animais e, dependendo da etapa, em humanos.

  Manuscrito da Materia médica de Dioscórides, mostrando as supostas propriedades medicinais da mandrágora.

As plantas medicinais podem ser estudadas na forma de extratos (aquosos, etanólicos ou em outros solventes orgânicos) a fim de se investigar seu efeito levando em consideração todas as suas substâncias presentes ou com intuito de se isolar e identificar seus princípios ativos. Tais componentes futuramente podem até vir a se tornar um fármaco. Estas substâncias bioativas na maioria são metabólitos secundários que possuem efeito biológico não apenas em humanos, mas em outros organismos, os quais, dependendo da importância, podem ser sintetizados.


  Plantas medicinais do Brasil

A biodiversidade pode ser entendida como uma preciosa biblioteca genética mantida em seus ecossistemas naturais, na qual, infelizmente, apenas uma pequena parte de seus componentes foi adequadamente estudada e cujos benefícios futuros não são ainda conhecidos (BRITO & NUNES, 1997, citados por GUERRA & NODARI, 2004).

Segundo o Atlas Mundial da Biodiversidade, elaborado pela Organização das Nações Unidas, até hoje só se avaliou o potencial farmacêutico de 1% das 250 mil plantas existentes no mundo, informou ZACHE (2001).

Das 240 mil espécies de vegetais catalogados no planeta, 150 mil ocorrem nos trópicos, e dessas, 55 mil são encontradas naturalmente no Brasil. Muitas destas espécies podem ser utilizadas para fins terapêuticos e medicinais, pois contêm princípios ativos eficazes no tratamento de certas patologias, e muitas destas ricas informações ainda fazem parte da cultura dos 315 mil habitantes originais do Brasil (DARIO, 2003; DIAS, 1996; citados por GUERRA & NODARI, 2004).

  Referências


  • AMOROZO, Maria Christina de Mello. A perspectiva etnobotânica na conservação de biodiversidade. In: XIV Congresso da Sociedade Botânica de São Paulo. Biodiversidade: os desafios da botânica para o Estado de São Paulo. Rio Claro, São Paulo, 2 a 5 set., 2002. pp. 1-2.
  • ARNT, Ricardo. Tesouro verde. Revista Exame. São Paulo, ano 35, n. 9, , p. 52-64, 2 mai. 2001.
  • BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Boas práticas agrícolas (BPA) de plantas medicinais, aromáticas e condimentares. Plantas medicinais e orientações gerais para o cultivo I. Brasília: MMA, 2006.
  • CAMPELO, Patrícia Maria Stuelp. Plantas medicinais e seus extratos: a necessidade de estudos continuados. Estudos Biológicos, v. 28, n. 62, jan./mar. 2006.
  • CAMPOS, Deise. Legislação está sendo revista: resolução define controle de qualidade e boas práticas de produção. Jornal Gazeta do Povo, Curitiba, 31 ago., 2004. Especial Farmácias de Manipulação, p. 5.
  • ELISABETSKY, Elaine; SOUZA, Gabriela Coelho de. Etnofarmacologia como ferramenta na busca de substâncias ativas. In: SIMÕES, Cláudia Maria Oliveira et al. (org.) Farmacognosia: da planta ao medicamento. 5.ed. Porto Alegre/Florianópolis: Editora da Universidade UFRGS/Editora da UFSC, 2004. Capítulo 6. pp. 107-118.
  • GUERRA, Miguel Pedro; NODARI, Rubens Onofre. Biodiversidade: aspectos biológicos, geográficos, legais e éticos. In: SIMÕES, Cláudia Maria Oliveira et al. (org.) Farmacognosia: da planta ao medicamento. 5.ed. Porto Alegre/Florianópolis: Editora da Universidade UFRGS/Editora da UFSC, 2004. Capítulo 1. pp. 13-25.
  • IBGE. Indicadores de desenvolvimento sustentável – Brasil. Dimensão ambiental, Biodiversidade, 2004.
  • REIS, Mauricio Sedrez dos et al. Diversidade e domesticação de plantas medicinais. In: SIMÕES, Cláudia Maria Oliveira et al. (org.) Farmacognosia: da planta ao medicamento. 5.ed. Porto Alegre/Florianópolis: Editora da Universidade UFRGS/Editora da UFSC, 2004. Capítulo 3. pp. 45-69.
  • REZENDE, Helena Aparecida de; COCCO, Maria Inês Monteiro. A utilização de fitoterapia no cotidiano de uma população rural. Revista Escola Enfermagem, USP, 36 (3), p. 282-288, 2002.
  • SCHAEFER, Silvia, 2004. Os piratas da natureza. Portal Aprende Brasil. Disponível em:<http://www.aprendebrasil.com.br/noticiacomentada/030918_not01_imprimir.asp?strTitul...>. Acesso em: 30 nov. 2004.
  • SCHENKEL, Eloir Paulo et al. Produtos de origem vegetal e o desenvolvimento de medicamentos. In: * SIMÕES, Cláudia Maria Oliveira et al. (org.) Farmacognosia: da planta ao medicamento. 5.ed. Porto Alegre/Florianópolis: Editora da Universidade UFRGS/Editora da UFSC, 2004. Capítulo 15. pp. 301-332.
  • SIMÕES, Cláudia Maria Oliveira; SCHENKEL, Eloir Paulo. A pesquisa e a produção brasileira de medicamentos a partir de plantas medicinais: a necessária interação da indústria com a academia. Revista Inteligência Empresarial, Florianópolis, v. 1, n. 1, pp. 1-6, out./ago. 2001.
  • ZACHÉ, Juliane. Ao natural. Revista Isto é. São Paulo, n. 1653, p. 103-108, 6 jun. 2001. Deiviane e Victor!

  Ver também

Portal A Wikipédia possui o portal:
Portal de botânica
{{{Portal2}}}
{{{Portal3}}}
{{{Portal4}}}
{{{Portal5}}}
   
               

   Publicidade ▼

 

todas as traduções do planta medicinal


Conteùdo de sensagent

  • definição
  • sinónimos
  • antónimos
  • enciclopédia

   Publicidade ▼

Últimas investigações no dicionário :

4206 visitantes em linha

calculado em 0,172s

   Publicidade ▼

   Publicidade ▼